Fecomércio: 92% dos turistas pretendem retornar à Campina Grande durante o São João

 

O São João da Paraíba encanta. E o de Campina Grande envolve e fascina. Não é por acaso, que o maior São João do Mundo atrai visitantes de todo o Brasil e várias partes do mundo. Por isso, o Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais da Paraíba (IFEP-PB) realizou, pela primeira vez, uma grande e importante pesquisa com os turistas presentes em Campina durante os festejos juninos. De acordo com o levantamento, 92,39% dos visitantes pretendem retornar à Campina para o Maior São João do Mundo e 95,43% indicam os festejos da cidade como roteiro turístico.

Dentre os principais motivos que levaram os entrevistados a visitar Campina Grande, 77,41% afirmaram que foi graças à festa de São João, seguido por visita a parentes e amigos (10,15%).  No que se refere aos motivos que levaram o entrevistado a escolher a cidade para o turismo de lazer, destacaram-se as festividades juninas, com 51,78% das respostas. Desse grupo, 53,81% afirmaram que já conheciam o São João de Campina. O segundo motivo mais citado pelos visitantes foi a indicação de parentes ou amigos (40,10%). Por outro lado, a indicação de agências de viagens e a propaganda e publicidade do estado ficaram apenas com 3,81% e 10,66% dos entrevistados, respectivamente.

Em relação à expectativa do turista após conhecer a cidade de Campina Grande, em especial o Maior São João do Mundo, 76,14% afirmaram que foi correspondida, enquanto 18,02% disseram ter sido superada. Apenas 4,57% afirmaram que sua expectativa ficou abaixo do esperado.

No que se refere à forma de planejamento da viagem, 36% do total de visitantes estava no São João acompanhado por seus familiares, em seguida aparece os que estavam viajando em grupo (30%). Os que vieram em excursão atingiram 16% dos entrevistados.

 

Pontos mais visitados
Os pontos turísticos de Campina Grande foram bastante visitados pelos turistas. Entre eles, os mais destacados foram o Parque do Povo (79,44%), Açude Velho (59,39%), Vila do Artesão (40,61%), Trem do Forró (36,55%), Salão do Artesanato (35,79%), Fogueira Gigante localizada dentro do Parque do Povo (33,76%), Sítio do Forró (28,43%) e Cidade Cenográfica (24,87%).

Quando questionados sobre o que mais gostaram na cidade, as atrações juninas foram as mais citadas, com 35,53% das respostas, seguidas pelo clima (18,53%), a receptividade do campinense (15,23%), o Parque do Povo (12,18%), gastronomia (8,88%), a beleza da cidade (7,11%) e o Trem do Forró (3,81%).

 

Serviços Turísticos
Em relação ao nível de satisfação dos visitantes, a receptividade do campinense alcançou o mais alto índice, recebendo conceito de “ótimo ou bom” por 96,10% do total de visitantes. Em seguida, aparece a vida noturna (93,50%) e os atrativos juninos (92,76%).

Entre os serviços turísticos, os maiores conceitos foram para a gastronomia, com 94,70% de aceitação, seguida pelo comércio campinense (91,23%) e o atendimento nos bares e restaurantes (82,27%).  O atendimento na rodoviária e no aeroporto de Campina Grande também obteve bons índices de satisfação por parte dos turistas que utilizaram esses serviços, com 76,70% e 74,63% de aceitação, respectivamente.

Em relação à qualidade das instalações da rede hoteleira onde ficaram hospedados, 76,63% dos turistas aprovaram os serviços, sendo que 17,12% ficaram insatisfeitos com os preços de hospedagem. De acordo com os visitantes, os preços cobrados na rede hoteleira estavam elevados, se comparado a outras cidades brasileiras no período de alta estação.

Com relação aos serviços prestados pelos guias de turismo, 67,74% dos turistas aprovaram os trabalhos realizados por estes profissionais. Quanto aos serviços oferecidos pelas locadoras de veículos, o nível de satisfação dos visitantes atingiu o patamar de 66,67%. No que se refere aos serviços de informação e sinalização turísticas, a pesquisa revelou que esses itens estão entre os que receberam os menores percentuais de “ótimo ou bom”, com 54,71% e 54,54% de aprovação, respectivamente.

O gasto médio por turista observado pela pesquisa foi de R$ 624,99. O principal gasto declarado por eles foi com diversão (45,69%), alimentação (37,31%), compras (17,26%) e hospedagem (12,69%).

 

Transporte e hospedagem
Percebe-se que a maior parte dos visitantes (35,03%) utilizou automóvel particular para chegar a Campina Grande, uma vez que grande parte dos turistas era proveniente de locais próximos. Em seguida aparece o ônibus de linha (24,11%) e o avião (22,08%). Vale ressaltar que uma parcela de turistas que utilizaram o avião desembarcou no Aeroporto Castro Pinto, em João Pessoa, por não encontrarem vôo direto para a cidade de Campina Grande.

Dos turistas que visitaram o São João, a maior parte se hospedou em casa de parentes e amigos (49,24%). Os visitantes que utilizaram os meios convencionais de hospedagem utilizaram hotéis (28,68%), pousadas (13,71%) e flats ou hotel residência (0,51%), totalizando 42,90% do total de turistas entrevistados.  O restante ficou distribuído em residência alugada (3,30%), alojamentos (2,28%) e residência própria (1,27%).

Quanto ao local escolhido pelos visitantes para realizarem suas refeições, a maioria (77,41%) utilizou os restaurantes e bares, seguida por refeições em casa de familiares ou amigos (40,36%), lanchonetes (14,72%) e feiras livres (0,25%). Vale salientar que neste quesito o entrevistado poderia citar mais de um local de refeição, o que torna a soma dos percentuais superior a 100%.

 

Tempo de permanência
De acordo com o estudo, 46% dos turistas vieram pela primeira vez conhecer o Maior São João do Mundo, enquanto que 54% já visitaram pelo menos uma vez o evento. Segundo o presidente do Sistema Fecomércio, Marconi Medeiros, esse fato se configura num elemento importante e positivo para o desenvolvimento da atividade turística da cidade por indicar um elevado grau de satisfação do turista. “Na ótica econômica, isto indica um efeito multiplicador, pois além de seu retorno, o turista torna-se um espontâneo divulgador do Maior São do Mundo, além de indicar Campina Grande como roteiro turístico para outras pessoas”, declarou.

Outro elemento importante para o planejamento da atividade turística é o tempo de permanência dos visitantes no local. Os dados apurados revelaram que os turistas apresentaram pretensão de permanecerem, em média, seis dias curtindo os festejos juninos. É importante ressaltar que 41,66% dos turistas que estavam no São João de Campina visitaram as cidades circunvizinhas, entre elas, as mais visitadas foram: João Pessoa (65,60%), Patos (9,60%), Areia (8,00%), Santa Luzia (4,80%), Guarabira  e Lagoa Seca, com percentual de 4% cada.

Quando questionados sobre a forma de organização da viagem para os festejos juninos, 21% do total de entrevistados responderam que foi organizada através de agências, enquanto que 78% fizeram suas próprias escolhas. Porém, os dados coletados mostraram que apesar de uma parte dos turistas não terem organizado sua viagem através de agências, 24,37% utilizou algum serviço, tais como: emissão de bilhete de passagem (85,42%), reservas de hotel (65,63%), serviços de guias turísticos (66,67%) e aquisição de ingressos para entrada de shows (54,17%).

 

Infraestrutura Urbana
De acordo com os resultados obtidos, o serviço de táxi foi o que apresentou melhor desempenho na avaliação da infraestrutura urbana, sendo aprovado por 78,41% dos entrevistados. Em seguida, aparecem limpeza pública (76,17%), serviços médicos (74,32%) e serviços de moto-táxi (67,24%).

Apesar da boa avaliação, a pesquisa ainda ressaltou algumas sugestões dos visitantes para a melhoria na infraestrutura urbana de Campina Grande. Entre os principais itens apontados estão melhoria na sinalização urbana através do aumento no número de placas, sobretudo na entrada da cidade e nas principais vias de acesso. Os turistas também sugeriram aperfeiçoar os serviços de comunicação com a implantação de mais antenas para aprimorar o sinal das operadoras de telefonia móvel e melhorar a limpeza pública através da colocação de mais lixeiras nas ruas, especialmente nos pontos turísticos e realizar programas de conscientização ambiental para as pessoas não jogarem lixo nas ruas ou pelas janelas dos transportes públicos.

Outro ponto importante sugerido pelos turistas para o desenvolvimento turístico do estado foi melhorar a segurança pública nos bairros e, em especial, nos pontos turísticos, através do aumento de policiamento onde acontecem os eventos culturais, principalmente no Parque do Povo.

 

Perfil do Turista
Do total de entrevistados, 31,22% possui idade entre 26 e 35 anos, seguida por visitantes entre 46 e 59 anos (22,59%) e 36 a 45 anos (21,83%). O menor número de turistas se situa na faixa etária de 18 a 25 anos, com um percentual de 11,42%. Quanto ao estado civil dos entrevistados, 47,72% se denominaram casados ou vivem em regime de união estável. Os turistas solteiros corresponderam ao segundo maior número de pessoas encontradas no São João de Campina (38,58%), seguidos por 7,87% que se disseram divorciados.

A maioria dos turistas é constituída por mulheres, totalizando 56%. Em relação à escolaridade, 43,91% possuem nível superior, seguido por 22,34% que possuem nível médio. Do total pesquisado, 30,15% são servidores públicos, 15,66% funcionários de empresas privadas, seguidos por 11,49% de aposentados ou pensionistas e 10,84% empresários.

No que condiz à faixa salarial, 29,95% dos turistas declararam receber acima de R$4.360,00, enquanto 20,05% recebem entre R$2.726,00 e R$4.360,00. Os entrevistados que não possuem renda apresentaram um percentual de 6,60%. Trata-se de pessoas que não têm ocupação remunerada ou estão fora do mercado de trabalho, são dependentes financeiros do cônjuge ou são estudantes.

A maior parte dos turistas (74,37%) que visitou a cidade de Campina Grande durante o São João é da Região Nordeste, sobretudo da Paraíba (23,86%), com destaque para João Pessoa, que registrou um percentual de 73,40% dos visitantes paraibanos. O Estado de Pernambuco (13,45%) aparece com o segundo maior número de turistas encontrados, seguido pelo Estado da Bahia (12,69%) e Ceará (11,93%). O segundo maior número de turistas no tocante às regiões do Brasil é do Sudeste (14,97%), sendo a maior parte (50,85%) oriunda de São Paulo e 38,98% do Rio de Janeiro. Da Região Centro-Oeste foi detectado um percentual de 5,33%, sendo a maior parte proveniente do Distrito Federal (90,48%). Os menores percentuais de turistas são das Regiões Norte e Sul, com percentuais de 2,28% cada. Vale destacar a presença de 0,76% de visitantes residentes em outros países.

 

Metodologia
A pesquisa ouviu 400 turistas entre os dias 20 e 26 de junho de 2011, escolhidos de forma aleatória, em diversos pontos turísticos, pousadas, hotéis, bares, restaurantes, aeroporto, terminais rodoviários e em diversos pontos turísticos de Campina Grande. O levantamento das informações foi realizado através de instrumentos de coleta de dados, ou seja, questionários devidamente estruturados contendo (em sua maioria) questões fechadas. Também foi garantido espaço para questões que permitiram aos entrevistados manifestar suas opiniões de forma espontânea. É importante ressaltar que, em algumas questões, os entrevistados poderiam indicar mais de uma alternativa como resposta. Logo, a soma dos percentuais das respostas para questões desse tipo não permitia totalização, já que ultrapassava 100%. Essas questões tinham como objetivo abranger um maior número de respostas de modo a possibilitar uma visão ampla do turista sobre os itens indagados.

Respaldado no conceito de turista estabelecido pela Organização Mundial de Turismo - OMT, nessa pesquisa foram consideradas turistas as pessoas não-residentes em Campina Grande e que permaneceram na área pesquisada por pelo menos 24 horas ou por, no mínimo, uma pernoite e que tinham como objetivo realizar passeios, negócios, participar de eventos ou visitar parentes e amigos.