Dia dos Namorados deve aumentar vendas na Paraíba

O volume de vendas para o próximo Dia dos Namorados, comemorado em 12 de julho, deve ter um crescimento em torno de 3,5%, em relação ao mesmo período do ano passado na Paraíba. A expectativa é da Federação do Comércio da Paraíba que também ressalta que os itens mais escolhidos serão vestuários, calçados, perfumes e acessórios. Além desses presentes, merece destaque o segmento de restaurantes que também recebe um grande fluxo de clientes.

 

“Tendo como parâmetro as datas comemorativas anteriores, como o Dia das Mães, os empresários estão otimistas para o Dia dos Namorados. Com os empresários mais confiantes, o comércio se prepara para a data e investe em formas de atrair os consumidores e aquecer as vendas”, destacou o Presidente da Fecomércio Paraíba, Marconi Medeiros.

 

Projeção nacional

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o volume de vendas do comércio varejista para o próximo Dia dos Namorados deverá registrar alta de 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado, já descontada a inflação. Confirmada essa expectativa, o resultado das vendas registrará a terceira alta consecutiva após amargar perdas durante a recessão econômica (-1,1% em 2015 e -4,9% em 2016, respectivamente).

 

O Dia dos Namorados é considerado a sexta data comemorativa mais importante do calendário varejista brasileiro, devendo movimentar, neste ano, R$ 1,64 bilhão.

 

Segmento de destaque

Carro-chefe das vendas associadas à data, o segmento de vestuário e acessórios deverá registrar alta de 3,1% em relação à mesma data do ano passado. Esse ramo deverá movimentar R$ 611,0 milhões, ou seja, o equivalente a 37,4% da movimentação financeira total esperada. Na sequência, o segmento de hiper e supermercados tem expectativa de movimentação financeira de R$ 553,1 milhões (+1,8% em relação a 2018), e artigos de uso pessoal e doméstico, como eletroeletrônicos, podem faturar R$ 243,4 milhões (+2,2%, também na comparação anual).

 

Estratégias

Para a CNC, o varejo deverá continuar investindo em liquidações, oferecendo linhas de produtos a preços menores do que no mesmo período do ano passado, especialmente nos ramos de vestuário e cosméticos, tais como roupas femininas (-3,0%), tênis (-2,6%), artigos de maquiagem (-2,6%) e bolsas (-2,4%). Em contrapartida, os preços de serviços como excursões (+16,4%) estarão significativamente mais altos do que no mesmo período de 2018.