Caixa divulga o cronograma oficial para a liberação do FGTS

A Caixa Econômica Federal divulgou em 05 de agosto de 2019 o cronograma para a liberação das novas modalidades dos saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O calendário atende o disposto na Medida Provisória nº 899/2019 anunciada em julho pelo governo federal.

São duas modalidades de saque: o Saque Imediato, que permitirá o saque de até R$ 500,00 em contas ativas e inativas do FGTS; e o Saque Aniversário, em que o trabalhador poderá sacar um percentual do saldo do Fundo a cada ano.

Quer tiver conta Poupança na Caixa terá o crédito automático do valor a partir de 13 de setembro. Para os demais trabalhadores, o início do saque se dará em 18 de setembro. Todos os trabalhadores, que possuam contas ativas ou inativas do FGTS, podem sacar até R$500 de cada uma delas, limitado ao valor do saldo. Veja abaixo o cronograma oficial:

Saque aniversário

O trabalhador poderá ainda fazer saques anuais do FGTS, chamados de Saque Aniversário, retirando uma porcentagem do Fundo dependendo do saldo das contas. Cabe lembrar que quem optar por esta modalidade de saque, não poderá retirar o valor do FGTS em caso de demissões por justa causa. A Caixa vai divulgar informações sobre como e onde optar por esse saque no dia 01º de outubro de 2019.

Confira abaixo os limites de saque para as faixas de saldo:

Abaixo, o cronograma para o Saque Aniversário:

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) avalia que a medida deverá ter impacto positivo sobre o comércio no segundo semestre deste ano.

 

“Com base nas informações divulgadas até o momento, estimamos um impacto direto de pelo menos R$ 7,4 bilhões no comércio varejista no segundo semestre de 2019 com os recursos extras obtidos. Consideramos ainda que a redução do endividamento e a regularização de dívidas em atraso também exercerão impactos indiretos positivos sobre o volume de vendas do comércio nos meses seguintes aos saques, já que liberam espaço no orçamento das famílias para outros gastos”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

 

Fonte: CNC