Famílias mantêm disposição para o consumo em setembro, aponta CNC

 

A intenção de consumo das famílias brasileiras, ouvidas no mês de setembro pela pesquisa nacional de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apresentou uma leve redução de 0,7% em relação a agosto e com resultado de 136 pontos. Os componentes do índice apontam que, mesmo em um ritmo menos intenso da expansão dos gastos das famílias, o crescimento do emprego e da renda ainda vem sustentando os níveis de consumo.

Já na comparação anual, a intenção de consumo das famílias ainda se manteve otimista – foi constatada alta de 0,6% na comparação ao mesmo período de 2010. O crescimento foi puxado, principalmente, pelos subitens relacionados ao mercado de trabalho. De acordo com a Divisão Econômica da entidade, isso mais uma vez indica que, embora em menor ritmo, a geração de empregos e o crescimento da renda ainda vêm sustentando a demanda doméstica, de modo mais intenso que a oferta de crédito em 2011.

A Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) é um indicador inédito com capacidade de medir, com a maior precisão possível, a avaliação que os consumidores fazem sobre aspectos importantes da condição de vida de sua família, tais como a sua capacidade de consumo (atual e de curto prazo), nível de renda doméstico, segurança no emprego e qualidade de consumo, presente e futuro. Em outras palavras, é um indicador antecedente do consumo, a partir do ponto de vista dos consumidores, tornando-o uma ferramenta poderosa para o planejamento do comércio e de outras atividades produtivas.

As informações são obtidas a partir de 18 mil questionários analisados. É importante ressaltar que o índice abaixo de 100 pontos indica uma percepção de insatisfação. Enquanto acima de 100 e até 200 pontos indica satisfação.

Fonte: CNC com Ascom da Fecomércio Paraíba