Comércio varejista deve crescer 7,2% em 2011

O volume de vendas do comércio varejista deve encerrar 2011 com uma expansão de 7,2% em relação a 2010. A previsão é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), e leva em conta a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada em 10 de junho pelo IBGE.

Para o economista Fábio Bentes, da CNC, ao final do ano, os ramos de móveis e eletrodomésticos e de artigos de uso pessoal e doméstico se destacarão em relação aos demais, com altas de 15,7% e 9,9%, respectivamente. “Contribuem para este cenário o momento ainda favorável do mercado de trabalho, com expansão de 4,3% na massa real de rendimentos, e o ritmo atual de concessão de crédito aos consumidores, que, apesar da evidente desaceleração, ainda cresceu 18,6% em relação a abril de 2010”, diz ele.

Comércio varejista ampliado

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Serviços (CNC) prevê ainda que as vendas do comércio ampliado cresçam 7,7% este ano. A projeção tem também como base os números da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE, que apontaram, na versão ampliada, expansão de 7,1% no acumulado até março, 1,4 ponto abaixo da taxa pelo índice de atividade do comércio (IAC), da Serasa, que apontou crescimento de 1,2% do varejo entre abril e maio, já realizado o ajuste sazonal.

Os principais destaques positivos do IAC foram os ramos do comércio automotivo (+2,6%) e de materiais de construção (+2,0%). Por outro lado, as pressões persistentes dos preços explicam o fraco resultado de hiper e supermercados (-3,2%). Em relação ao mesmo mês de 2010, destaque para materiais de construção e combustíveis e lubrificantes que puxaram crescimento (+12,1% e +11,0%, respectivamente), movimento contrabalançado pelas vendas de tecidos vestuário e calçados que oscilaram -0,3%.

Fonte CNC